AUTORES

Francisco Prestes Maia. Fonte: Foto cedida por Adriana Prestes Maia Fernandes.

MAIA, Francisco de Prestes
19-03-1896 - Amparo - São Paulo


Formação

Nasceu na cidade de Amparo, em 1896.Prestes Maia entrou para a Escola Politécnica de São Paulo, em 1912, diplomando-se engenheiro-arquiteto e civil em 1917.


Atuação

Entrou para a Diretoria de Obras Públicas (DOP) da Secretaria de Viação de Obras Públicas, em 1918.
Em 1924 foi contratado professor interino da Escola Politécnica de São Paulo, lecionando na cadeira "Desenho Geométrico e à Mão Livre" até 1925. No ano seguinte foi interino nas cadeiras "Desenho Arquitetônico e Esboço do Natural" e "Desenho de Perspectiva" pertencentes a Victor Dubugras.
Na gestão de Moraes Pinto na prefeitura de São Paulo , entre 1924 e 1926, Prestes Maia e Ulhôa Cintra realizaram uma série de estudos para o sistema viário e sistema de transportes da cidade , propondo o alargamento de ruas e um anel viário em torno do centro, seguindo a orientação do trabalho anterior de Ulhôa Cintra de um perímetro de irradiação proposto em 1924.
Em 1927 foi efetivado como docente da Escola Politécnica, mas devido a proibição de acúmulo de cargos públicos (1937) deixou a Politécnica permanecendo na Secretaria de Viação de Obras Públicas.
Em 1927 a Cia Light & Power apresentou à Prefeitura um plano que incluia uma remodelação do sistema de transportes de bonde e de transporte subterrâneo no centro da cidade .Este plano , após muita polemica e discussão , não foi aprovado.
Neste mesmo período estava sendo elaborado na Secretaria de Obras um estudo para o sistema viário por Prestes Maia .Ele apresenta em 1930 o "Estudo de um plano de avenidas para a cidade de São Paulo", prevendo um sistema de avenidas radiais e perimetrais . Este estudo foi apresentado neste mesmo ano ao 4º Congresso Pan-Americano de Arquitetos no Rio de Janeiro, sendo premiado.O Plano de Avenidas, como ficou conhecido representou uma alternativa ao proposto pela Light e foi adotado como plano de reformulação do sistema viário por Prestes Maia quando prefeito de São Paulo , no período do estado Novo.
Em 1929, representando a Secretária de Viação, foi juri do concurso do Palácio do Congresso Estadual e em 1935 do juri do edifício do Conde Matarazzo no vale do Anhangabaú.
Após a Revolução de 1930, Prestes Maia, ,com vinculações políticas com o lado perdedor, volta-se mais a suas atividades privadas e ao DOP. Em 1930, foi um dos fundadores do Instituto Paulista de Arquitetos, permanecendo como seu vice-presidente de 1930 a 1931.
Em 1931 participou do Congresso de Habitação organizado pelo Instituto de Engenharia.
Em 1933, foi convidado a dar parecer sobre o plano de Recife elaborado por Nestor Ernesto de Figueiredo. Durante esta viagem colheu informações sobre a cidade, publicando-as posteriormente sob o título "Os Melhoramentos do Recife".
Em 1935 foi um dos fundadores, juntamento com Anhaia Mello, da Sociedade Amigos da Cidade, sendo seu primeiro presidente. Em 1937 foi estabelecida oficialmente a Comissão do Plano da Cidade, reivindicada pela Sociedade Amigos da Cidade.
Assumiu a prefeitura da cidade de São Paulo de 1938 a 1941, indicado pelo interventor Adhemar Pereira de Barros, e de 1941 a 1945, indicado pelo interventor Fernando de Souza Costa, porém Prestes Maia não instalou ca Comissão do Plano da Cidade, "talvez já se afastando das concepções urbanísticas de Anhaia Mello", como ressalta Silvia Ficher.
Em sua gestão na Prefeitura da cidade, Prestes Maia executou uma série de obras de remodelação previstas em seu plano e tratou de recuperar os recursos do Município. As principais medidas de sua gestão foram: diminuição da máquina do município (com a diminuição do quadro de pessoal, extinção de cargos e aposentadoria compulsória);abertura de créditos especiais para obras de melhoramentos e desapropriações.
As obras incluiram o início da retificação do rio Tietê .Em 1938 criou a Divisão de Rios e Águas Pluviais, em 1939 introduziu modificações no projeto de Saturnino de Brito - de 1923/25 e 27 e autorizou as desapropriações necessárias às obras; e desapropriações para execução da avenida marginal do rio Tietê.
Em 1938 executou obras na av. Pacaembu, desincorporando aréas do domínio público para pemutas com particulares;execução do Plano de Avenidas através de atos como: abertura, alargamento e prolongamento de várias ruas no centro da cidade; ampliação de praças; conclusão da avenida 9 de Julho, rampas de acesso à avenida Paulista e túnes sob à avenida Paulista; execução de avenidas, como Duque de Caxias, Anhagabaú, Liberdade e parte da av. Itororó, e praças como a Roosevelt e Clovis Bevilacqua; execução de pontes e viadutos.As intervenções incluiram ruas de bairros não centrais ,como a retificação da rua da Moóca e alargamento da av. Guarulhos.
Em 1941 introduziu alterações no Código de Obras em ralação ao perímetro e alturas das edificações da zona central. Em 1941 intituiu premios para os mais belo edifícios;
Executou obras de edifícios e áreas de ensino, cultura e lazer ,como o Centro Educacional do Ibirapuera e a biblioteca e parque infantil de Sto. Amaro);
Em 1939, diante da não renovação do contrato sobre transportes com a Light & Power Conpany, formou a Comissão de Estudos de Transportes Coletivos resultando na criação da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos em 1946;
Foi constantemente criticado por não aplicar a "taxa de melhoria" com alegações como a dificuldades de execução e a falta de necessidade por parte do Município.
De 1941 a 1942 pertenceu a diretoria do Insitituto de Engenharia.
Em 1945 participou do juri sobre idéia para a Cidade Universitária.
Em 1946 , retorna às atividades no DOP e em sue escrito’rio de engenharia contratado para a elaboração de planos para cidades no interior de São Paulo e outros estados assim como projetos de novas cidades .Em 1947 elaborou um plano para Santos. Elaborou também planos para Campos do Jordão, Campinas e Recife.
Em 1950 concorreu ao governo do Estado de São Paulo pela União Democrática Nacional (UDN), classificando-se em último lugar.
Em 1953, na gestão do prefeito Jânio Quadros, Prestes Maia participou como membro da Comissão do Plano do Município, uma a retomada da Comissão Orientadora do Plano da Cidade, confrontando-se aí com Anhaia Mello. No projeto elaborado por esta comissão prevaleceram as idéias de Anhaia Mello, mas este projeto não foi posto em prática nos anos seguintes.
Em 1954 concorreu novamente ao governo do Estado de São Paulo, classificando-se em terceiro lugar.
Um ano mais tarde compôs a comissão, criada pela prefeitura, encarregada de estudar um sistema metropolitano de transportes coletivos.Em 1956 esta comissão elaborou o "Ante-projeto para um sistema de transporte rápido para a cidade de São Paulo" que chegou a entrar em concorrência para sua execução, mas esta foi anulada pela Câmara Municipal.
Em 1957 Prestes Maia concorreu à prefeitura, sendo indicado por Jânio Quadros, perdendo para Adhemar de Barros.Na sua gestão , Adhemar arquivou o ante-projeto do metropolitano e retomou o ante-projeto da Comissão Orientadora.
Nesta mesma época, Prestes Maia era diretor da Cia. City.
Em 1961 candidatou-se novamente a prefeitura com o apoio do então governador Carvalho Pinto, assumindo a Prefeitura deste ano até 1965.
Nesta sua segunda gestão, Prestes Maia tomou novamente medidas para sanear as finanças do Município e retomar sua autonomia financeira, perdida com a centralização política durante o Estado Novo .Para isso aumentou a arrecadação e tentou conseguir modificações na apropriação, pelo governo federal, dos impostos municipais.Retomou o projeto do metropolitano com a criação de um grupo de trabalho para revisão dos projetos existentes.
Foi colaborador das revistas Arquitetura e Construções e Investigações e presidente da Companhia Brasileira de Cimento Portland.
Em 1965 afastou-se da prefeitura por motivos de saúde, falecendo neste mesmo ano.

Publicações:
"Estudo de um plano de avenidas para a cidade de São Paulo" São Paulo, Melhoramentos, 1930
"O zoneamento urbano" São Paulo, Sociedade Amigos da Cidade, 1936
"Os melhoramentos de São Paulo" São Paulo, Prefeitura Municipal, 1942
"São Paulo, metrópole do século XX" São Paulo, Empresas de Publicações Associadas, 1942
"Os melhoramentos de São Paulo" São Paulo, Prefeitura Municipal, 1945
"A taxa de melhoria apreciada pelo prefeito Prestes Maia" Engenharia, São Paulo, nº 39, p.103-5, nov, 1945
"O plano regional de Santos" São Paulo, Prefeitura Municipal, 1950
"Urbanismo paulistano" Engenharia, São Paulo, nº 107, p.415-6 e 456, jul, 1951
"Ofício do eng Prestes Maia sobre os trabalhos da Comissão do Metropolitano." Engenharia, São Paulo, nº 168, p.119-20, 1956
"Mudancistas e fiquistas." Brasil Arquitetura Contemporânea, Rio de Janeiro, nº 10, p.10-3, 1957
"Quo Vadis, São Paulo." Diário de São Paulo, São Paulo, nº especial, p.46, 1959

Publicações em co-autoria:
MAIA , Francisco de Prestes e CINTRA, João Florence de Ulhôa. "Os grandes melhoramentos de São Paulo" Boletim do Instituto de Engenharia, São Paulo,- nº 26/7, p.56-60, out, 1924
- nº 28, p.91-4, mar/jun, 1925
- nº 29, p.121-32, jul/out, 1925
- nº 31, p.225-32, mar/jun, 1926
MAIA , Francisco de Prestes et alii. "Ante-projeto para um sistema de transporte rápido para a cidade de São Paulo." Engenharia, São Paulo, nº 167, p.66-116, out, 1956


Fonte

FICHER, Sylvia: Ensino e Profissão - O curso de engenheiro-arquiteto da Escola Politécnica de São Paulo Tese de Doutoramento, Dep. de História da FFLCH-USP,1989.
Toledo, Benedito Lima , "Prestes Maia , as origens do urbanismo moderno em São Paulo" São Paulo, Empresa das Artes , 1996
Leme , Maria Cristina da Silva "ReVisão do Plano de Avenidas: um estudo do planejamento urbano de São Paulo, 1930" tese de doutoramento FAU USP , 1990.




Textos disponíveis no banco de dados:


Arquitetura e Arte
Um problema actual: Os grandes Melhoramentos de São Paulo
Um problema actual: Os grandes Melhoramentos de São Paulo (continuação)
Um problema actual: Os grandes Melhoramentos de São Paulo (continuação)
Um problema actual: Os grandes Melhoramentos de São Paulo (continuação)
Aeroporto Internacional de São Paulo
O programa norte-americano de melhoramentos para São Paulo
Os grandes problemas urbanísticos de São Paulo
Os grandes problemas urbanísticos de São Paulo
Os grandes problemas urbanísticos de São Paulo
Os grandes problemas urbanísticos de São Paulo
Os melhoramentos de Recife: notas de viagem
Os melhoramentos de Recife : notas de viagem (continuação)
Os melhoramentos de Recife : notas de viagem (continuação)
Os melhoramentos de Recife : notas de viagem (continuação)
Os melhoramentos de Recife : notas de viagem (continuação)
Legislação sanitaria sobre construções em geral
Introdução ao Estudo de um Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo
Os Melhoramentos de São Paulo
O zoneamento urbano
O plano regional de Santos
Urbanismo e Circulação
A Remodelação de São Paulo